Estudante e professora de Terapia Ocupacional da UFPel criam grupo de escuta

Estudante e professora de Terapia Ocupacional da UFPel criam grupo de escuta
02/04/2020

O cenário atual do mundo, com a pandemia que se instala em praticamente todos os países, tem gerado uma ruptura do cotidiano, submetendo as pessoas ao confinamento e exigindo que desempenhem diversos papeis em um mesmo ambiente, muitas vezes limitado. Tudo isso acaba fazendo com que a saúde mental de muitos seja diretamente afetada. 

Para ajudar quem está nessa situação, a estudante Tatiane Cassais, do 6º semestre do curso de Terapia Ocupacional da Universidade Federal de Pelotas, criou um grupo de escuta onde os participantes recebem convidados e conversam sobre assuntos diversos do cotidiano. O projeto tem apoio da professora do curso, Ellen Ricci, terapeuta ocupacional especialista em saúde mental. 

A iniciativa surgiu de uma demanda identificada por Tatiane: o desconforto emocional de diversos alunos a partir da suspensão das aulas por conta da pandemia do COVID-19. Com a ajuda da professora Ellen, foram analisados materiais sobre Telemonitoramento (WHO e WFOT) e sobre Grupos de Apoio e Ajuda Mútua (Ministério da Saúde - Brasil), que resultaram em um convite aberto a qualquer pessoa que sentisse a necessidade de falar de si e tenha a disponibilidade de ouvir outras pessoas vivendo o processo de quarentena.

O primeiro convite foi feito no dia 19 de março, em redes sociais, apresentando o Grupo de Escuta em formato de Rodas de Conversa Virtuais. A divulgação cresceu e alcançou alunos da UFPel, UFSM, UFRJ, UNESP, outras universidades privadas e a sociedade em geral. 

Os grupos são realizados duas vezes por semana, com duração de aproximadamente 1h30min, e mediação das duas idealizadoras do projeto que estimulam a troca de experiências e o acolhimento. Os participantes relatam seus dias em quarentena, compartilham experiências diárias e conversam sobre assuntos de interesse mútuo. 

Também foi criado um grupo via WhatsApp para que os participantes possam manter o contato diário, trocar experiências e dicas para enfrentar o período de isolamento social de forma mais leve, apesar da gravidade da situação.

A proposta é que o grupo tenha continuidade. “A aceitação e participação nos grupos de escuta foi bem maior do que esperávamos. Vamos mantê-los durante a pandemia e no futuro pretendemos relatar essa experiência, ampliando o conhecimento e a atuação da Terapia Ocupacional em caso extraordinários, como pandemias, que acarretam uma ruptura radical e aguda no cotidiano das pessoas, mudando rotinas e atividades”, relatou a professora Ellen Ricci.

Para participar do grupo, acesse o link abaixo: 
https://chat.whatsapp.com/F3hi6inFIYk1YQndgrqFlV